domingo, 28 de março de 2010

Eh Pá, desculpes!

Olá Mundo, desde já peço imensas desculpas por não actualizar o Bazar Chinês assiduamente mas sabem a internet em minha casa não tem funcionado. Um destes dias, num dia chuvoso e num dia em que o Sol estava totalmente encoberto, um trovão atacou a minha localidade e especialmente a minha casa. Nessa mesma altura esqueci-me de retirar a fixa do computador onde está ligado o meu router, devido a isso, a internet deixou de funcionar e por isso a minha vinda ao blog tem sido dificultada, como vocês têm reparado, só tem havido um post por semana, mais ou menos.
Agora é a parte que vocês dizem, “Oh pá, essa foi uma desculpa mesmo foleira, para a próxima arranja uma desculpa melhor!”.
Agora, quero também pedir desculpas pela qualidade dos produtos exibidos no meu estaminé. Sabem, estamos em crise porque com isto da inflação os produtos aumentaram os preços e, por isso, os nossos fornecedores aumentaram as margens de lucro e para eu manter o preço de venda (que para vocês é nada), mantendo também a minha margem de lucro, tive de reduzir ainda mais a qualidade dos meus produtos.
Gostaram das minhas desculpas? Bem, isto é mais ou menos o retrato da nossa sociedade. Sempre que um tuga falha a qualquer coisa que estava marcada tem sempre a necessidade de inventar uma “boa” desculpa para tentar remediar a situação mas esquece-se que a generalidade das pessoas não são tapadinhas de todo e apercebem-se que estamos a inventar uma desculpa, por isso, talvez seja melhor ser sinceros e não utilizar aquilo que chamamos de “desculpas esfarrapadas”.

sábado, 20 de março de 2010

A assembleia virou novamente circo

Há muito que todos nós sabemos que a Assembleia da República portuguesa nos proporciona momentos hilariantes, momentos esses que são sobejamente conhecido, desde os corninhos do Manuel Pinho até à frase do deputado Pita Ameixa,"eu sei que dói senhor deputado, mas ponha manteiga!" Por variadíssimas vezes este local deixa de ser um sítio para traçar o rumo de Portugal para se tornar um autêntico Circo! Sexta-feira não foi excepção e desta vez temos dois protagonistas, o senhor João Torcado, secretário de estado da educação, e o deputado José Lello. Este é o vídeo que vos mostra o famoso episódio.
video
Depois de verem esta maravilhosa cena quero que observem a forma displicente com que o secretário de estado se dirige à plateia como quem "caros badamecos que estão a fazer de conta que estão a trabalhar" e depois reparem que este senhor não sabe o que fazer às mãos e já para não falar do senhor que está ao lado do secretário de estado a dizer-lhe a forma de como se tem de dirigir, quase que como um ponto no teatro. Podem dizer que são burocracias mas para mim é boa educação e respeito, e este senhor para secretário de estado da educação não tem educação nenhuma, é um formalismo que representa respeito, coisa que não consta no perfil deste senhor.
Quanto ao segundo caso é de referir que este deputado tem toda a razão e mais alguma. Querem ver que ele agora já não pode estar no MSN a "meter" treta com as miúdas e a actualizar o seu perfil no Facebook? Este país é uma vergonha, agora nem isso podem fazer? Já não podem usar o computador livremente sem que haja fotógrafos a vê-los? Caro José Lello, o senhor quer ver o quê? O computador é para trabalhar e não para andar a ver conteúdos ilícitos.
Para finalizar quero transmitir todo o meu apoio a estes dois indivíduos e no caso do senhor José Lello queria dizer-lhe uma coisa, cuidado ao fechar o ecrã do computador pois pode ocorrer algum imprevisto, é que esses computadores são do estado!

sexta-feira, 12 de março de 2010

E "Puuuuft!", um novo post!

Um dos recursos estilísticos que sempre achei engraçado na língua portuguesa são as onomatopeias. Estas figuras de estilo têm como intuito imitar sons através de palavras, desta forma podem reproduzir o som de animais e até acções que podemos ter. O engraçado de tudo isto é que nós utilizá-mo-los muito mais do que nós imaginamos. No nosso quotidiano, as onomatopeias estão presentes em variadíssimas situações e variadíssimas vezes. Passando a exemplos...
«Olha Zé, ontem estava eu de carro e de repente passa por mim uma mota assim, "Vrummmmm!", tipo mesmo rápido, e de um momento para o outro chega a um cruzamento e vem outro carro e este teve de travar muito rápido, "Screeech!", e como foi muito em cima acabaram por bater com muita força, "Traummm!"».
Ou mesmo...
«Estava eu na cozinha quando, repentinamente, a campainha de casa tocou, "Trimmm!", e eu fui atender muito rápido e depois tropecei na carpete e cai, "Tauuu!"».
É fantástico presenciar estas situações porque estes recursos parecem um vício, quando começam a usá-los numa situação nunca mais param. Talvez nunca tenham reparado neste uso exagerado das onomatopeias mas se repararem vão perceber que é extremamente cómico.
Para terminar, vou deixar-vos com muitos abraços para os meninos e muitos "muahhhhs!" para as meninas e cuidados com as carpetes para não embaterem com superfícies bastante duras e não fazerem "Tauuuu!"

segunda-feira, 8 de março de 2010

Andaram as nossas avós a trabalhar para isto?

Mais uma vez trago ao Bazar Chinês um guest post. Desta vez convidei a Sara. Agradeço desde já este texto e espero que gostem.

Nós, mulheres emancipadas, líderes de partidos, chefes de países, gestoras de multinacionais importantes, escritoras conseituadas, cientístas reconhecidas, investigadoras irrepreensíveis, e até camionistas exemplares, hoje comemoramos o Dia Internacional da Mulher.
Grande honra, diria. Já estamos a par do Dia do Turista, ou então do Dia do Índio. Dias estes que rapidamente caiem em esquecimento. Afinal quem se quer associar a isto e fazer parte de um dia no ano, no meio de outros 364, onde, segundo o ponto de vista que estes dias apresentam, somos recordadas!
Bem, neste Dias de qualquer coisa, como o da árvore, juntam-se meia dúzia de gatos pingados, plantam uma árvorezinha, num local que esperam ser soalheiro, visitam-na duas vezes nos dois dias seguintes e depois, esquecem-se delas.
Nós, fazemos o mesmo, mas de uma forma mais evoluída, não chegamos a visitar-nos nos dois dias seguintes. Mas lá fazemos a festinha.
Não me apresento como uma feminista exacerbada, e estas festinhas até me parecem uma óptima ideia, por causa dos maridos retrogadas que vivem em muitos lares. E desta forma consegue-se um pouco de liberdade, que há-de saber a pouco.
Quanto aos motivos da criação do Dia Internacional da Mulher, não digo que sejam dignos de desprezo, recuso-me. No entanto, perecem-me demasiado importantes para apenas serem enaltecidos, no dia 8 de Março.
Bem, finalizando, ninguém precisa de um dia para ser enobrecido, se o for constantemente!

sábado, 6 de março de 2010

Farmville, a sensação - Parte 2

A loucura em redor deste jogo continua e com ele a estupidez.
No Facebook existe um petição com cerca de 17 mil e 250 assinantes. Esta petição tem como objectivo poder plantar Cannabis no Farmville.
Eu sei que neste momento tudo é razão para uma petição mas esta causa não é uma qualquer, é para a produção do grande Cannabis. Segundo os fundadores desta petição, esta planta deve estar no Farmville tal como todas as outras e deve dar bastante dinheiro e experiência para quem as cultiva.
Neste momento esta causa necessita de mais 10mil 720 assinaturas para ser aprovada e para ser instaurada a plantação de estupefacientes num jogo de produção agrícola. Sinceramente espero que estas pessoas que faltam apareçam para assinar e seguidamente queria congratular os senhores Hugo Moreira e Nélio Filipe Pedrosa porque assim já podemos saciar os nossos vícios virtualmente.
Depois desta ironia toda queria dizer uma coisa, ou são estas pessoas que não têm mais do que fazer ou o mundo está definitivamente perdido.
Mas se não consegues vencê-los, junta-te a eles! Vamos todos votar nesta "grande" causa!